Search

4 ELEMENTOS SOBRE O ATUAL CENÁRIO POLÍTICO- GUINE BISSAU


"A Nigéria acabou por se disponibilizar para doar 350 ‘kits’ de registo biométrico, mas apenas 150 chegaram ao país, devendo os restantes ser recebidos no sábado, dia em que termina o atual recenseamento (observador, 2018). "

Governo

O Governo da Guine Bissau liderado por Aristides Gomes, demostrou o empenho e a determinação em querer organizar as eleições previstas para o dia 18 do próximo mês.

Em consequência disso, pode-se argumentar que o atual governo ignorou elementos importantes que sustentam a integridade das eleições. Refiro a ausência da Educação Eleitoral e a violação da Lei Eleitoral, a falta de maturidade política do Governo, em admitir que neste preciso momento, não temos os requisitos necessários para organizar as eleições legislativas.

Analisando o posicionamentos dos partidos políticos ou das personalidades políticas, durante este processo eleitoral, pode-se afirmar que tanto a nível individual ou a nível institucional não estamos preparados para manter a data em questão. Ainda convém relembrar, que existe um grupo de ativistas, académicos e Políticos que defendem a realização das eleições na data marcada pelo Presidente da República.

Levando-se em consideração esses aspetos, gostaria de mencionar o seguinte: se realizarmos as eleições em novembro a Paz e a segurança da nação poderá estar em perigo.

Estado Fraco (Weak State)

Eu não considero a Guine Bissau um Estado falhado (Failed state) como vários scholars argumentam. Mas na minha modesta opinião, em termos de Estudos de Segurança a Guine Bissau contém todas as caraterísticas que compõem um Estado Fraco (Weak State). O termo estado fraco neste contexto não significa a fragilidade do estado, mas sim um estado que carece de Capacidade Institucional (eficácia e legitimidade das instituições do estado).

Por exemplo: o pobre recenseamento eleitoral (demonstra a falta de capacidade institucional) ou basta ver a recente greve da Federação Nacional dos Motoristas que pediram a clarificação das competências entre as diferentes entidades do estado responsáveis pela regulação do ambiente rodoviário.

Profecias Políticas

Na base desta explicação se na realidade amámos o nosso país, devíamos debater sobre a necessidade de adiar a data das eleições legislativas para quando realmente, estivermos preparados em termos logísticos, sociais e políticos em encarar num processo honesto e transparente.

Em virtude do que foi mencionado, a próxima eleição será uma das mais complexas na história da nação.

É de conhecimento geral, que a nossa lei eleitoral não é moderna e eficaz; o que por um lado, as normas e as estruturas eleitorais tornam-se complexas para o cidadão, por outro a elite política beneficia-se da situação.

Entretanto, é bom relembrar que uma grande parte dos eleitores são analfabetos e pobres; e este é o paradigma em que os nossos políticos aproveitam para enganar o povo.

Por exemplo, basta ver o empenho do Presidente da República na distribuição do arroz ou o aparecimento de novos projetos focados na reconstrução das estradas nacionais.

Conclusão

É imprescindível que todos se conscientizem, de que - A eleição legislativa é um processo- e não um evento. Deste modo, um dos eventos mais importantes neste processo é a transferência que existe durante o desenvolvimento eleitoral e a pronunciação dos resultados eleitorais. Exigimos as partes envolvidas neste processo legislativo a adiarem a data das éleições para salvaguardar a legitimidade ou a integridade das eleições legislativas e da Democracia Guineense.

Published By: A Consciência Social


0 views

A Consciência Social

©2018 BY A CONSCIÊNCIA SOCIAL.