A Consciência Social

©2018 BY A CONSCIÊNCIA SOCIAL. 

PAIGC um Partido Intriguista

 

A Comunidade Internacional considerou as eleições presidenciais de 2019 "livres, justas e transparentes". Entretanto, vários países da “Global North” especialmente os países da “Global South” reconheceram e receberam o Umaro Sissoco Embalo na qualidade de presidente eleito da República da Guine Bissau.

 

Este artigo tenta explicar a nova disputa inventada pelo PAIGC sobre a legitimidade dos resultados anunciados pela Comissão Nacional de Eleições.

 

Análise do conflito Guineense

 

A CNE no meu ponto de vista seguiu todos os parâmetros legais em relação a organização das eleições Presidenciais. Após a publicação dos resultados provisórios no dia 1 de janeiro que se tornaram definitivos no dia 17 de janeiro, a atitude e o comportamento da atual direção do PAIGC influenciou a escalada do conflito e ameaça a Paz e a Democracia na G. Bissau. 

 

A elite que controla o monopólio do poder desde 1994 apercebeu-se que havendo um novo regime que visa combater a corrupção e o Tráfico Organizado Internacional não haverá lugar para os desonestos se esconderem.Toda a falcatrua que o PAIGC cometeu desde 2014 a data presente será conhecida em breve.

 

Não se compreende o silencio do atual Primeiro Ministro "fantoche" em não questionar por que razão o Ministro das Finanças levantou CFA 380 milhões ?? O PAIGC está a usar os mesmos mecanismos que no passado usou para continuar no poder.

 

É bom relembrar o outro líder "fantoche" DSP, que durante a campanha presidencial alegou, que se o resultado da Comissão Nacional de Eleições não o favorecesse aceitaria os resultados em prol da paz e da estabilidade do país. O paradigma atual já é outro. Infelizmente o DSP para proteger os seus interesses políticos e pessoais aceitou o plano maquiavélico da velha guarda do PAIGC que visa rejeitar os resultados presidenciais dando início a uma batalha judicial sobre o pretexto da verdade eleitoral.

 

Poupem-me. O nível de desespero do PAIGC é alarmante. Num passado recente o PAIGC: contestou a posição da Comunidade Internacional por felicitar o presidente-eleito; acusou os militares de estarem envolvidos na fraude eleitoral; acusou o MADEM G15 de adulterar os resultados presidenciais, (histórias do Hacker do Barreiro) e para atrapalhar ainda mais o processo escreveu 500 páginas onde no mínimo 400 páginas descrevem irregularidades artificiais do processo eleitoral.

 

A Comunidade Internacional reconhece o Umaro Sissoco Embalo na base dos dados da CNE um “órgão independente e permanente que funciona junto da Assembleia Nacional Popular e tem por função a superintendência, organização e gestão do processo eleitoral e referendário.” 

 

Em relação, ao envolvimento dos militares na fraude eleitoral, o chefe das Forças Armadas desmentiu a farsa do PAIGC e foi ainda mais longe em tornar público que em 2016 foram convidados para executarem um “coup d’etat” contra o presidente cessante.

 

A história dos hackers, acabou por ser "FAKE NEWS" criada por um cidadão Guineense que vive no Reino Unido, Leeds.

 

Em outras palavras, o PAIGC está a usar todas as artimanhas possíveis e imaginarias para pôr em causa todo o processo eleitoral e descredibilizando assim todo o trabalho feito pela Comunidade Internacional.

 

Conclusão

 

É inaceitável permitir que uma elite continue a bloquear a vontade do povo expressa nas urnas. 

 

O PAIGC está a usar o monopólio do poder para criar uma "clash de instituições" subordinando o Cipriano Casama, atual Presidente da ANP, Aristides Gomes, o Primeiro-Ministro "Fantoche" e alguns juízes do STJ para continuarem, agarrados ao poder.

 

No meu ponto de vista, o STJ perdeu a sua legitimidade em termos de tomada de decisão uma vez que internacionalizámos o nosso conflito. Durante 5 anos a CEDEAO foi a entidade que resolveu a nossa crise política. 

 

Em linguagem que se entenda, durante 5 anos a CEDEAO governou indiretamente a Guine Bissau. A nossa constituição neste preciso momento está em stand-by.

 

Durante toda a nona legislatura assistimos várias decisões políticas ou económicas a serem transferidas para uma entidade sub-regional algo que contraria o conceito de soberania.

 

A nossa soberania institucional ou nacional só será resgatada quando o presidente eleito Sissoco se sentar no palácio. Queiram ou não, a resolução deste impasse terá de vir da CEDEAO, uma entidade que tem ditado o que temos que fazer enquanto Estado-Nação.

 

Para concluir, se o Supremo Tribunal de justiça anular as eleições a tal decisão será considerada sem efeito e uma afronta à Democracia Guineense. A Guine Bissau precisa de um sistema judicial justo e independente. 

 

É importante mencionar que na Democracia Liberal o povo é quem mais ordena e o povo escolheu o General Umaro Sissoco Embalo.

 

Si PAIGC nega resultado aos? Amanhã si bo bim ganha cuma cu no pudi bim cetal???

 

Sejam Democratas

 

Aristides Mandinga, IR and Peace Studies 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Our Recent Posts

PAIGC um Partido Intriguista

February 9, 2020

A Estratégia Maligna do PAIGC

January 18, 2020

SIRADJOINTERCAMBIO EDUCACIONAL

January 17, 2020

1/1
Please reload

Tags

Please reload